domingo, 8 de fevereiro de 2009

O vencedor moral foi o Benfica

Sempre que o Benfica joga no Dragão, sei que um empate é sempre uma vitória, pois o F.C. Porto é o natural favorito aos três pontos, mesmo que, teoricamente, é um jogo de tripla.

Mas hoje, o Benfica mereceu levar os três pontos no Dragão. Aguentou as investidas iniciais do Porto, aproveitou as chances concedidas para criar perigo junto à baliza de Helton (podia-se ver os contrastes: Moreira muito mais seguro a receber a bola, Helton socava-a e saia repetidamente da sua área, parecendo que ela tinha fogo), e quando a oportunidade apareceu, o Yebda marcou o golo, num momento cirugicamente decisivo: no final da primeira parte.



No segundo tempo, via-se um Porto a "correr atrás do prejuízo", tentando atacar por todos os meios, mas sem consequências de maior. Ora a defesa cortava (o Sidney e o David Luiz foram excelentes), ora era a azelhice dos avançados.



Mas no final, o grande protagonista foi o abritro Jorge Sousa: mesmo à sua frente, entendeu que o "teatro" do jogador portista foi entendido como um "penalty", cujas imagens demonstraram que foi exactamente o contrário. Em suma, usando as palavras do falecido José Pedroto: "foi um roubo de Igreja", embora ache que desta vez, foi do tamanho da Catedral de Notre Dâme.



Enfim, digo isto aos portistas: agradeçam ao Jorge Sousa por lhes ter dado um ponto. E digo isto sem qualquer sombra de dúvida: hoje, no Dragão, o vencedor moral foi o Benfica. Sem tirar nem pôr. E apesar das diferenças se manterem (um ponto), e de ambos se terem afastado do Sporting (perdeu 2-3 em Alvalade com o Braga), acho que para primeiro ano, o Benfica de Quique Flores está a mostrar ser bom. Que continue assim!

2 comentários:

Tasqueiro disse...

Para quem se quiser rir um bocado, aconselho vivamente a leitura das declarações do Rodolfo Reis (grande paixão do Carlos Castro/Daniela) no Record de hoje.

A sério, é de ir às lágrimas....

Pall Mall disse...

Já vi e já comentei. Agora percebe-se porque ele não treina há anos...